Evento da Fisher com presença da Pier trata de desafios em seguros

Quais os desafios enfrentados para inovar no segmento de seguros no Brasil e como insurtechs podem melhorar um cenário que ainda requer melhorias regulatórias e reforço de valores como a confiança e a honestidade?

Algumas possíveis respostas a estas questões foram tratadas no evento “Os desafios de renovar a indústria de seguros no Brasil”, da Fisher Venture Building, que aconteceu no último dia 1º em São Paulo, e do qual a Pier participou através de nosso co-founder Lucas Prado.

O painel, que foi mediado por Pietro Bonfiglioli, da Fisher, também contou com a participação de Piero Torres, chief information officer do BNP Pariba Cardif; Paulo Sgarbi, consultor independente e ex-superintendente da HDI Seguros; e Roberto Panucci, associate da Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados.

Dores dos clientes

A Pier foi criada com foco na resolução de dores comuns de quem consome seguros. Na época, o grupo de 5 pessoas que integrava a empresa ficou cerca de uma semana avaliando as mensagens postadas no Reclame Aqui para entender o que as pessoas queriam. “Usamos tecnologia para ter uma experiência sensacional e sem burocracia sem sofrermos com as fraudes”, conta Lucas.

Ele também citou duas pesquisas importantes que ajudaram a nortear o rumo da Pier no início. “Uma mostrava a falta de confiança que havia na indústria seguradora, pois a confiança que alguém tinha de que receberia da seguradora quando precisasse era menor que a confiança que as pessoas tinham na indústria farmacêutica. Aquele negócio dos “cabelos lisos e perfeitos”. As pessoas confiavam mais nisso do que no recebimento da seguradora se precisassem”, disse.

E outra pesquisa, segundo Lucas, dizia que as pessoas achavam que os serviços digitais de seguros eram piores que os serviços digitais do estado. “Nós decidimos focar exatamente em confiança”.

Desafios e novas regulações

Os participantes também ressaltaram que há muitos desafios relacionados à inovação na indústria de seguros no Brasil, mas novas regulações têm mostrado maior abertura no setor. “A postura do regulador vem mudando e já vimos a questão dos seguros intermitentes, a vigência reduzida, e agora o sandbox regulatório.”, explicou Roberto Panucci.

Ele acrescentou que as insurtechs acabaram não tendo a mesma abertura que as fintechs tiveram para inovar rapidamente, e afirmou que apesar de investidores estrangeiros terem funding para investir por aqui, a questão regulatória ainda acaba dificultando o processo de uma entrada independente.

Piero Torres, do BNP Paribas Cardif, citou dois grandes desafios com os quais a indústria precisa lidar: a questão do legado, que envolve a necessidade de uso de tecnologia, e o mindset das equipes, que requer mudança de cultura nas organizações. Para ele, a parceria com startups pode ajudar a fechar esses gaps do cenário atual. “Nós já estamos investindo em startups inclusive.”

“Fala-se hoje de vigência reduzida para os seguros, mas nós já vínhamos fazendo isso há 1,5 ano”, contou Lucas, da Pier. “Sempre fomos a favor do consumidor, não contra a indústria. Tivemos que fazer muitos contornos para testar e agora não precisa. Vejo que a questão regulatória evoluiu muito em dois anos”, comentou.

E lá fora…

Os participantes também foram convidados a falar de inovações que vêm ocorrendo no exterior e ainda não chegaram ao Brasil no segmento segurador. O consultor Paulo Sgarbi lembrou que no caso do seguro de carro, já há alternativas nas quais a mensalidade cobrada considera o quilômetro rodado e a forma como o motorista dirige. “Mas o mercado também está engatinhando.”

Lucas, da Pier, disse ver diferença grande com relação ao seguro de vida. “Estamos bem atrás em termos de tecnologia. Tem muita empresa fora fazendo coisas relacionadas a sinais corporais, por exemplo”. Ainda com relação ao cenário externo, ele também acredita que há muito “buzz” e pouca ação. “Tem muitas empresas boas tentando fazer, mas quem de fato está vendendo, executando, pagando claim, etc. são poucas”.

Durante o evento, nosso co-founder ressaltou que a Pier trabalha forte para resolver as dores do consumidor. “Queremos trazer mais leveza para a vida das pessoas e mostrar que elas fazem parte de uma grande comunidade onde podem contar com o seguro quando mais precisarem”.

Confira o papo entre os experts na íntegra em nosso canal do YouTube:

Deixe uma resposta