Furto Qualificado x Furto Simples

Photo by Paul Dufour on Unsplash

Entenda porque a proteção de furto simples muda tudo!

1. Furto qualificado? Nunca vi, nem sofri, eu só ouço falar!

“ Coberturas costumam ser restritas e as cláusulas de exclusões, bastante abrangentes” — Arnon Velmovitsky

O especialista em defesa do consumidor resume bem o comportamento adotado por grande parte das seguradoras. Sem conhecer as definições, o usuário tem a falsa impressão de estar protegido após a contratação de um seguro:

Roubo: quando o aparelho é levado mediante uma grave ameaça ou violência contra a vítima;
Furto qualificado: a vítima não percebe imediatamente a perda do bem, mas há vestígios de destruição ou rompimento de barreiras (como um corte na bolsa ou na mochila, por exemplo);
Furto simples: não há uso da violência ou quando a pessoa nem percebe a subtração do celular;

A frase “Seguro contra roubos e furtos” é bastante difundida e gera a falsa expectativa de proteção contra furtos simples! No entanto, as seguradoras cobrem apenas roubos e furtos qualificados.

A exclusão do furto simples parece somente mais uma das muitas exclusões que passam despercebidas nos contratos. No entanto, analisamos as 84.540 ocorrências de roubo e furto de celulares no último trimestre de 2017 no estado de SP (Portal da transparência) para entender o impacto do furto simples perante outros tipos de ocorrências.

Análise Pier, dados Portal da Transparência

Apesar de não ser um termo usual, o furto simples é uma cobertura excluída que interfere drasticamente na abrangência das ocorrências vinculadas a roubos ou furtos do celular, 43% de todos os boletins de ocorrência foram considerados furtos simples.

2. Resultado da exclusão do furto simples: milhares de clientes insatisfeitos

“Fui informado pela seguradora que o sinistro foi negado pois foi furto simples — não havendo violência e nem arrombamentos. Fiz a contestação pois na apólice não tem essa cláusula em destaque ou em evidência. Fiz a contratação de um seguro com cobertura completa!” — Cliente de uma seguradora no ReclameAqui

Essa é uma das frustrações mais comuns de quem tem um seguro de celular: comprar um produto caro, sentir-se protegido, mas esbarrar-se em uma cláusula contratual que exclui exatamente o caso que você vivenciou.

São milhares de casos similares no ReclameAqui. Pessoas que acreditavam estarem cobertas contra furtos e que não foram indenizadas porque a situação foi considerada um furto simples.

Essa exclusão contratual gera uma insatisfação totalmente previsível: considerando furtos de celulares no último trimestre de 2017 no estado de SP (Portal da transparência), menos de 10% dos furtos foram considerados furtos qualificados — o tipo que é coberto pelas seguradoras.

Análise Pier, dados Portal da Transparência

Além dessa pequena probabilidade, existem situações em que a seguradora questionou o parecer da polícia para caracterizar um caso como furto simples e não indenizar o cliente:

“Agora fico sem celular, com um prejuízo de R$ 5 mil reais, porque alguém lá de dentro duvida da palavra de 3 policiais que trabalham com isso todos os dias. Se no seguro está falando que cobre furto qualificado e no B.O. diz furto qualificado, então é o dever deles me dar outro celular” — Cliente de uma seguradora no ReclameAqui

Isso nos remete as distorções da indústria e o livro do professor Jay M. Feinman que questiona o conflito do modelo de negócios das seguradoras que aumenta o lucro das empresas quando elas recusam sinistros.

Delay, Deny and Defend. Why insurance companies don’t pay claims and what you can do about it.(Atrasar, negar e se defender. Porque seguradoras não pagam os sinistros e o que você pode fazer sobre isso. Tradução livre)

3. Pier: Compartilhamento de riscos e relações baseadas na confiança

Photo by rawpixel.com on Unsplash

Não somos uma seguradora — empresa especializada em assumir riscos de perdas de terceiros cobrando um valor prévio para isso. A Pier não assume o risco de seus membros, ele é compartilhado entre todos os membros da comunidade, criando um vínculo entre todos, um contrato plurilateral.

Isso nos aproxima da nossa natureza social e cooperativa: mais empatia nas relações, um comportamento mais responsável e menor propensão a fraudes e abusos. O cliente faz parte de uma comunidade de confiança e proteção mútua.

Em nossa plataforma os usuários estão protegidos contra furto simples e sabemos que isso é um grande risco. No entanto, nossa lógica é simples: nossos membros são honestos até que nos provem do contrário!


proposta da Pier é construir um novo paradigma, estabelecendo novos pilares para a indústria de proteção de riscos.

Pier. Reinventar confiança, juntos.

Bem-vindos!

Deixe uma resposta