Outubro Rosa: é preciso falar em prevenção do câncer de mama

Aqui na Pier nos preocupamos muito com a saúde mental e física, e é por isso que precisamos falar da campanha Outubro Rosa, lançada pelo INCA e pelo Ministério da Saúde. O objetivo é reforçar a prevenção, o diagnóstico precoce e a necessidade da mamografia para combate ao câncer de mama. 

Você sabia que o câncer de mama é segundo tipo que mais atinge brasileiras, representando em torno de 25% de todos os casos que afetam o sexo feminino por aqui?

A notícia boa é que, com relação à taxa de mortalidade, o Brasil está na segunda faixa mais baixa entre os países medidos, com uma taxa de 13 por 100 mil, ao lado de países desenvolvidos como EUA, Canadá e Austrália, e melhor de que alguns deles, como a França e o Reino Unido. 

Ou seja, se detectado logo, as chances de cura costumam ser muito altas. É por isso que aproveitamos o Outubro Rosa para falar sobre o assunto!

“O fato de a taxa de incidência ser relativamente alta e a de mortalidade ser relativamente baixa mostra que o nosso sistema de saúde, apesar de todos os problemas, está salvando muitas vidas. Mas temos imensos desafios pela frente,” afirma Liz Almeida, chefe da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA.

Fatores que aumentam a incidência

Para começar, é importante saber que entre os fatores que aumentam o risco de desenvolvimento do câncer de mama, alguns podem ser evitados e outros não. Entre os que não podem ser evitados estão: 

envelhecimento;

histórico familiar da doença;

mutações genéticas.

Outros fatores de risco possíveis de ser evitados estão ligados ao estilo de vida: 

estar acima do peso;

levar uma vida sedentária;

tomar mais do que uma dose de bebida alcoólica por dia;

uso de hormônios após a menopausa.

Como prevenir e diagnosticar precocemente?

Para prevenir é importante estar atenta às próprias mamas, observando qualquer sinal de alteração e buscando auxílio médico. Além disso, é fundamental estar com os exames em dia. Eles ajudarão a detectar precocemente qualquer problema e necessidade de tratamento. 

Entre os sintomas aos quais é preciso ficar de olho estão:

caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; 

pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja;

alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos;

também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

O INCA explica que a prática de atividade física e de alimentação saudável, com manutenção do peso corporal adequado, estão associadas a menor risco de desenvolvimento do câncer de mama: cerca de 30% dos casos, segundo o Instituto, podem ser evitados quando são adotados esses hábitos. E a amamentação também é considerada um fator protetor.

Cá entre nós, como você tem se cuidado e cuidado das mulheres ao seu redor? Esta é a proposta de reflexão da Pier para este mês de outubro, porque nós nos preocupamos efetivamente com você! 

Confira a seguir um vídeo produzido pelo INCA sobre cuidados básicos com a alimentação que podem ajudar a reduzir o risco de câncer de mama:


Deixe uma resposta