Rebranding: como foi levar a cara nova da Pier para cada tela do site e do aplicativo

Fazer um rebranding é um desafio gigante que tivemos a sorte de vivenciar aqui na Pier. Desde as primeiras etapas até a aplicação de fato no produto, tudo precisa ser feito em coerência com quem essa marca deseja ser. Aqui no blog, a Kika contou um pouco sobre a trajetória do ponto de vista de marketing e agora venho aqui contar um pouco sobre como foi essa trajetória dentro do produto.

Esse post é sobre como organizamos uma semana de co-criação numa cultura de trabalho remota pra o rebranding de uma insurtech.

Um alô de quem escreve

Olá, eu sou a Livia Holanda, sou brasileira nascida em Brasília, mas atualmente moro na Califórnia. Mudei para cá no início do ano e, por causa do modelo de trabalho distribuído da Pier, pude continuar trabalhando normalmente e contribuindo para esse projeto tão desafiador.

Um pouco sobre a Pier

A Pier é uma insurtech que já está no mercado há mais de 2 anos e meio, vendendo proteção para smartphone e carro. Como uma startup dessas bem raiz, inovadora na essência, que quer mudar o mundo quebrando as burocracias do mercado de seguros, assim como o modelo de organização de trabalho que também é diferentão para o Brasil. Trabalhamos distribuídos (remotamente e em horários diferentes) desde antes da pandemia.

O desafio do rebranding com uma equipe enxuta

Temos uma equipe de design bem enxuta, com 3 product designers bem focados na experiência dos dois produtos atuais e das plataformas internas e tentando trabalhar sempre muito sintonizados. Os desafios de alinhamento e organização são grandes, mas depois de uns 6 meses sentindo esse dia a dia, a gente consegue se adaptar bem a dinâmica de trabalho remoto. 

Outro dia (há um ano), o marketing identificou a necessidade de redesign da marca e desenvolveu, junto com Swt&Co, o novo visual da Pier. Então uma vez com esse pacote marca, tipografia, cores, ícones e alguns assets definidos, nossa equipe de designers precisava traduzir a nova linguagem no produto digital.

Como explorar desdobramentos visuais e definir direcionamentos de identidade de uma nova marca para um produto digital que já existe

Mesmo que já tenhamos superado aquela dor do designer contemporâneo de conduzir dinâmica colaborativas sem post-it na parede (01 sdds, né?), pra gente esse projeto foi um desafio e tanto. O objetivo de explorar soluções apaixonantes pra nós e colocar todo mundo (públicos externos e internos) comprados na mesma direção, em uma brechinha de tempo de 5 dias úteis. Foi pra lá de ousado.

Nesse post vamos expor nosso processo, porque foi muito positivo pra gente construir e ver funcionar, e sabemos o quão difícil é achar frameworks específicos para mudança de identidade visual em produtos digitais que já estão rodando. Esperamos ajudar as equipes de design quando forem pensar seus processos de rebranding como fizemos! Vamos lá?

Pré-sprint: A preparação para o rebranding

De 15 a 30 dias antes, começamos a nos preparar. Tivemos algumas tarefas claras:

1. Definição de objetivo e agenda

Foi muito importante estimar o tempo que precisaríamos para trabalho focado (o tão falado deep work) e o tempo de trabalho em equipe de designers. Assim, a partir dessa primeira definição, pontuamos quanto tempo que teríamos pra trazer mais valor ao que desenharíamos, envolvendo pessoas que agregariam ao processo.

2. Mapear stakeholders

Definimos o que seria o modelo de uma dinâmica com momentos de feedbacks e inputs de pessoas importantes pra nossa criação. Das equipes que envolvemos:

Público interno:
– Marketing: os donos do tom de voz da marca.
– Product Managers: os donos dos produtos, que acompanharam os estudos de perto.
– Tech Team: os donos da implementação, que precisavam levantar possíveis limitações e problemas das nossas propostas.
– Founders: os donos da empresa, pra certificar se o caminho tomado refletia nossa essência.

Público externo:
– Usuários e Clientes: foi essencial ouvir os seres humanos que são a razão da nossa existência!
– Designers do mercado:  tivemos espaço pra convidar profissionais que admiramos pra mandar a real em relação ao que estávamos construindo. Escolher referências de designers fez nossa semana ser muito especial, portanto receber inputs de gente do mercado foi a cereja do bolo pra nós! Assim, selecionamos o Glauber Sampaio e o Maurício Uehara.

3. Pensar estrutura de testes

Tendo em vista que estaríamos testando visual e cientes da complexidade de um teste desse nível, fomos estudar como as pessoas estão fazendo isso por aí. Então conversamos com uma especialista de pesquisa, a Elisabet de Marco, pra entender como rodar teste pra análise de visual. 

Criamos um formulário com avaliações do marca que rodamos internamente com a equipe de marketing pra entender como viam os valores refletidos no visual pra ter como régua/parâmetro pra avaliar as respostas com os usuários. Esse tipo de teste merece um post inteiro, mas pra quem tá curioso em como é possível fazer, dá pra estudar o conteúdo no NNG que é muito rico e um ótimo ponto de partida.

4. Coletar e organizar referências

Separamos um figma pra juntarmos assincronamente o que consideramos boas referências de interface enquanto a tão planejada semana não chegava. As referências eram de visual e passavam por soluções de produtos semelhantes e outros diferentões que usavam componentes que nos interessavam.

5. Bloquear agendas

Sabíamos que precisaríamos bloquear nossas agendas por 1 semana pra se focar inteiramente no exercício, então alinhamos com nossos times o momento que precisávamos pra não termos que nos dividir tempo com outras tarefas das squads. Ter o apoio dos nossos líderes diretos foi de extrema importância.

Além disso, pela quantidade de gente envolvida em dias específicos, foi importante mandar invites antecipados e já deixar reservado as participações na nossa semana intensa.

A Sprint do Rebranding

Como ficou a agenda:

  • 1º Dia – Kickoff
  • 2º Dia – Apresentando 1º versão
  • 3º Dia – Design Critique
  • 4º Dia – Testes Análise de feedbacks e evolução
  • 5º Dia – Apresentações e “fechamento”

Kickoff – 1º Dia 

  • 30 min – Kick off com alinhamento de objetivo
  • 30 min – Apresentação de referências
  • 3h – Deep work (explorativo)
  • 30 min – Break
  • 1h – Sessão de discussão (convergência)
  • Livre – Deep work

Dia de kickoff da sprint. Só designers e a CPO.

Definimos que telas trabalharíamos. Começamos ambiciosos pensando que conseguiriamos explorar web, app e comunicações por email, mas nas primeiras horas, percebemos que não seria possível. É um trabalhão. Então realinhamos expectativas e seguimos.

Selecionamos 5 telas mais importantes do app, com componentes e estruturas bem diferentes e começamos a explorar. Assim, passamos 6 horas desse dia na mesma ligação, no mesmo arquivo, explorando junto, observando as evoluções uns dos outros. No final, ficamos parcialmente satisfeitos com a convergência.

Apresentando 1º versão2º Dia

  • 30 min – Retomada e Design Critique
  • 2 h – Deepwork
  • 30 min – Break
  • 1 h  – Sessão de discussão com equipe de Marketing
  • 2h – Deepwork
  • 30 min – Convergência e preparação pro Dia 3

Dia de mais deepwork e da primeira sessão de feedback, com a equipe de marketing. Terminamos dia preparando o material que íamos apresentar pros designers que escolhemos no dia de Design Critique.

Design Critique3º Dia

  • 30 min – Retomada
  • 2h – Deepwork
  • 30 min – Break
  • 1h – Sessão de discussão com Designer 1
  • 1h – Sessão de discussão com Designer 2
  • Convergência

Chamamos o Maurício Uehara e o Glauber Sampaio pra coletar feedbacks das telas do rebranding. Assim, em duas sessões riquíssimas de uma hora, coletamos toda sorte de impressões de olhares mais frescos e especialistas sobre nossa criação.

Diante de tanto input e tanta exploração, despriorizamos testar com o usuário no dia 4, pois testes demandam uma preparação que não tivemos tempo de fazer nos primeiros 3 dias. Então, adiamos pra semana seguinte.

Testes Análise de feedbacks e Refinamento4º Dia

Com feedbacks muito acertados em mãos, começamos uma exploração e evolução bem mais focada e com o direcionamento mais claro. Assim, passamos esse dia a maior parte do tempo trabalhando juntos na mesma call e layouts no Figma.

“Fechamento”5º Dia

  • 1h – Retomada e organização
  • 2h – Refino e ajustes
  • 20 min – Break
  • 1h – Sessão de discussão com time de tecnologia
  • 1h – Sessão de discussão com fundadores, líderes de produto e marketing

    Apresentação do desenvolvimento do trabalho pra equipes de tecnologia, produto e founders. Muitas percepções diferentes de vários ângulos.

Tínhamos uma direção, não os layouts finais, mas algo desenhado para orientar nossos designs pros produtos.

O novo dia 3: Testes de visual6º Dia

No meio da semana, percebemos que ia ficar muito apertado de tempo usar a sexta feira pra catar feedback de usuários, já que esse tipo de teste de visual é todo muito subjetivo e precisava de entrevistas em profundidade de no mínimo 1 hora. 

Partimos pra uma força tarefa de pesquisa, delineamos dois grupos de usuários: membros e potenciais membros, assim cada designer tocou algumas entrevistas e ao final conversamos com 10 pessoas. Entendemos melhor como costumam avaliar interfaces e o impacto do visual na experiência em geral, entretanto, conseguimos tirar poucas percepções significativas que apontavam para mudanças de visual de telas. A estrutura e a organização dos testes deixou a desejar e essa pesquisa merecia uma outra sprint com teste de usabilidade e não só de visual.

Uma semana intensa, mas cheia de frutos

Essa semana foi elaborada e vivida intensamente pelo Bruno Queiroz, Gabi Freitas e eu, Livia Holanda, os 3 product designers da Pier no momento. Depois de um mês, trabalhamos no rebranding de fato e desdobramos os caminhos explorados nessa sprint no aplicativo, na web, nas comunicações e em toda presença virtual Pier. Pra fazer o rebranding no produto, boa parte da empresa estava envolvida e levamos por volta de 1 mês e meio. 

O resultado vocês já podem conferir online e todos os detalhes sobre o que isso representa pra gente aqui no post da Kika sobre o rebranding.

Se tiver qualquer dúvida ou se interessar em saber mais detalhes de alguma das etapas do processo de design, manda pra cá. Também deem uma olhadela no resultado final e conta pra gente o que achou, porque a gente é sedento por feedback, eles são super bem-vindos por aqui!  

Deixe uma resposta