robô, robô brasileiro

Tinbot: robô brasileiro com função de scrum master

Tinbot: robô brasileiro com função de scrum master

Você já imaginou dar de cara com um robô como concierge ou recepcionista? Saiba que isso já anda acontecendo por aí, e em território brasileiro. O nome deste pequeno assistente é Tinbot, e ele foi desenvolvido na startup Timbot Robótica, parte do DB1 Group.

A intenção foi criar um robô de fácil configuração projetado para ter função de Scrum Master nas empresas. Convidamos o desenvolvedor Marco Diniz Garcia Gomes, responsável pela criação do primeiro robô brasileiro com função de scrum master, para contar um pouco melhor sobre a inovação aos piers.

PIER: Como surgiu a ideia de criar o Tinbot?

Marco: O Tinbot, primeiro robô brasileiro com função de scrum master, foi criado a partir da nossa paixão por robótica e do desejo de aliar esta prática ao desenvolvimento de software. Ele começou com um protótipo, construído inicialmente com palitos de sorvete, e a área de inovação da empresa acelerou a ideia por meio de uma parceria entre empresa e colaborador. Na DB1, o robô foi personalizado para exercer a função de líder de projetos, mas acabou evoluindo para se tornar um assistente empresarial para diversas funções.

PIER: Qual é o público alvo?

Marco:O Tinbot é um robô para empresas que buscam inovação, tecnologia e experiência. A missão do robô é oferecer uma experiência diferenciada para as pessoas e ajudar empresas a construir uma imagem inovadora por meio de uma interface simpática, amigável e divertida.

Permite ainda que cada empresa personalize a plataforma de acordo com suas necessidades e possibilita integração com outros sistemas via APIs. Empresas de todos os tamanhos e segmentos podem utilizar o Tinbot como um canal para inovar em suas soluções e serviços e oferecer experiências diferenciadas aos clientes.

PIER: Como foi a recepção do mercado?

Marco: A robótica no Brasil ainda dá seus primeiros passos e não é comum vermos um robô brasileiro, menos ainda em cidades do interior, como Maringá. Quando se pensa em robótica, logo imaginamos industriais, de chão de fábrica. O Tinbot quebra esse paradigma, como um robô que cria experiências e comunicação.

Até o momento, foram vendidas 20 unidades do Tinbot que estão em pleno funcionamento em empresas como UniCesumar e Evoa Aceleradora, onde atua na recepção de visitantes, Sicoob, para gerenciamento de indicadores, Cooperativa Cocamar, onde interage com os cooperados, no Hotel Villa Rossa, como concierge, e como parceiro da pensadora digital Martha Gabriel.

PIER: Quais são os diferenciais do robô?

MARCO: Além de ser brasileiro e muito simpático, o Tinbot conta com uma série de funcionalidades, como reconhecimento de fala, síntese de voz, reconhecimento facial, captação de fotos, configuração por voz, programação simplificada com linguagem própria, programação avançada com Javascript, controle de LEDs coloridos, controle de movimentos de cabeça, braços, mãos e torso, bateria com autonomia de duas horas, integração aberta através de APIs, e reprodução de arquivos de áudio.

PIER: Qual o investimento médio para quem quer adquirir um Tinbot?

MARCO: O Tinbot Pro está disponível por R$ 16.500 e os pedidos podem ser feitos pelo site.

PIER: Já existem planos de atualizações e novas funções para o Tinbot?

MARCO: Existem vários estão que estão na fila de desenvolvimento e serão atualizados para todos os Tinbots conforme forem sendo concluídos. Entre eles, temos a alteração de humor para que o robô tenha reações diferentes se tiver recebido elogios ou críticas ao longo do dia; e o uso para vídeo conferência, para que possa ser utilizado em reuniões, permitindo que uma pessoa remota assuma o controle do robô, veja, fale, ouça e se expresse através dele.