Blog da Pier » Quais são as assistências mais comuns no seguro celular e como elas funcionam?

Quais são as assistências mais comuns no seguro celular e como elas funcionam?

por Time Pier
Criado em

5 min de leitura

Smartphone
5
(1)

O uso de celulares no Brasil é muito alto, seja à trabalho ou lazer. E é exatamente por isso que ter uma maior proteção é sempre essencial. Pensando nisso, foi criado um tipo de seguro especial para esse dispositivo, que é capaz de oferecer mais tranquilidade em todos os momentos, principalmente evitando os prejuízos relacionados a esse aparelho.

E para saber tudo sobre o assunto, entendendo o que ele é e quais são as coberturas disponíveis, continue lendo esse texto da Pier para que você tenha o melhor cuidado com o seu aparelho celular.

 

O que é um seguro celular?

De uma forma fácil de entender, o seguro de celular é um serviço o qual você conta com uma empresa do ramo (uma seguradora) para prestar socorros se algo acontecer com o seu aparelho. Logo, podemos entender que é um cuidado a mais para aumentar o tempo de vida útil do aparelho.

Para isso, e aqui estamos considerando exclusivamente o período após o fechamento do contrato, é necessário pagar uma mensalidade (o prêmio do seguro) que vai assegurar que você possui todas as proteções do plano, sempre de acordo com o que foi oferecido pela empresa, algo que vamos explicar mais a fundo no próximo tópico.

É importante ressaltar que nem sempre as seguradoras vão oferecer as mesmas coberturas, então se tiver alguma coisa muito importante para você ter mais proteção, o aconselhado é procurar pelo serviço que possui esse detalhe específico a fim de ter a maior proteção possível com o celular para evitar maiores problemas, preocupações e prejuízos.

 

Quais as principais assistências desse serviço?

Quando entramos nas assistências deste seguro, devemos lembrar que elas dizem respeito ao celular, ou seja, situações que podem acontecer com um celular, sendo que o mais comum é:

Como mencionamos, cada empresa do ramo pode oferecer uma assistência diferente, mesmo que essas sejam as principais. O que fazer, então?

A melhor forma de agir é fazer a cotação de seguro e descobrir tudo o que é considerado sinistro a fim de saber quais coberturas e proteções estão disponíveis no seguro para celular analisado. E ao encontrar aquele que vai de encontro às suas necessidades, basta fechar o contrato para se proteger mais, e melhor também.

 

Quando cada uma delas entra em ação?

Ao analisar em separado cada uma das coberturas disponíveis, devemos entender quais são as situações para saber quando é possível sinalizar o sinistro de seguro ciente de que terá o respaldo necessário por parte da seguradora.

Vamos então à explicação de cada uma, começando pelo roubo: de acordo com a lei ele ocorre sempre que há o emprego de ameaça ou violência para que o bem – nesse caso, o celular – seja subtraído. Isso pode acontecer de forma física ou verbal, com ou sem o uso de uma arma (seja ela de fogo, branca ou outros tipos possíveis).

Furto qualificado é quando você sofre a subtração de um bem, não percebe na hora mas possui indícios de que passou por um crime, como uma bolsa furada ou cortada, por exemplo. O simples, por sua vez, é caracterizado pela mesma situação onde você é furtado mas não se dá conta no momento, mas com uma diferença crucial: não existem vestígios do crime, o que torna mais difícil de descobrir quando o aparelho foi realmente furtado, ou se o dono apenas o perdeu.

Os danos físicos são autoexplicativos, ou seja, se enquadram todas as situações que causam algum tipo de estrago ao aparelho, seja interno ou externo. Isso pode ser ocasionado por quedas, se a bateria queima, se algum líquido vazar e danificar, ou qualquer outro fator que esteja descrito na apólice de seguro.

As perdas, porém, são um fator um pouco mais complicado, e que nem todos os seguros oferecem proteção por ser difícil de distinguir. No entanto, ele é literalmente quando você esquece o seu celular em algum lugar e não o encontra mais.

 

Esse tipo de seguro oferece reembolso? Se sim, qual o valor?

Vamos supor que você está prestes a fechar o seu seguro celular mas uma dúvida surge: dependendo do que acontecer, eu posso receber reembolso? E a resposta para isso é que sim! Em casos de roubo ou furto, e de perda também em algumas empresas, é possível receber uma indenização para não ter prejuízo financeiro.

Mas no que diz respeito ao valor a ser recebido, isso depende de empresa para empresa uma vez que não existe uma tabela, ou regra geral, para aplicar sobre os aparelhos e precificar cada um deles. Por isso, normalmente o valor de mercado – enquanto seminovo – é aplicado como base, ou seja, o preço de venda do aparelho com até 10% de degradação, na maioria das vezes.

Ao descobrir esse valor, você encontra o montante que será recebido na sua conta se tiver o seu bem furtado ou roubado e contar com um bom seguro ao seu lado.

“E quando ocorrer algum dano no aparelho, também é possível pedir o reembolso?” 

Infelizmente não. Em casos assim, o que você pode fazer é solicitar para que a seguradora envie o celular para o conserto, de forma a não ter que pagar para isso. Mas não esqueça que não são todas as empresas que oferecem esse serviço, então lembre de conferir com atenção na hora que for cotar o seguro.

 

Reportando o sinistro: como fazer de forma simples

Por último, vamos entrar agora em um passo a passo rápido de como reportar o sinistro se sofrer um problema. Para ficar mais fácil, devemos lembrar que tanto o seguro online como o convencional são bem parecidos, tendo como diferença o meio usado para o contato (no primeiro é possível resolver tudo usando o aplicativo ou site próprios, enquanto no segundo normalmente é necessário fazer uma ligação telefônica).

Tudo começa abrindo um boletim de ocorrência (lembrando que você pode fazer um BO online ou normal, como preferir) o mais rápido possível, sempre com o máximo de detalhes possíveis (com hora, data, local, entre outros) e incluindo o código IMEI do aparelho. Feito isso, basta bloquear o seu aparelho com a Anatel para que o dispositivo se torne inutilizável, o que é inclusive uma maior forma de proteção para os seus dados.

Para quem se pergunta como bloquear celular pelo IMEI, isso é bem simples. A primeira coisa é saber o código único do seu dispositivo e ligar para a central da sua operadora telefônica por meio dos números: 1052 para Claro, 1056 ou *144 para TIM, 1057 ou *144 para Oi, 1058 ou *8486 para Vivo. Ao ser atendido, basta solicitar o bloqueio do dispositivo e conceder o IMEI.

Para ter certeza de que o seu celular foi bloqueado, basta entrar no site da Anatel e conferir o estado do mesmo, vendo se o processo foi feito corretamente ou se é necessário ligar para a central a fim de solicitar o bloqueio outra vez.

Uma vez finalizados todos esses passos, tudo o que você precisa fazer é comunicar a empresa que você possui o seguro, enviar o BO e o pedido de solicitação de reembolso e esperar o retorno para saber se é necessário enviar mais alguma coisa ou não. Por fim, basta mandar os dados bancários para, após uma análise do ocorrido, receber o estorno na sua conta. Simples assim, você recebe o dinheiro de volta e evita prejuízos.

Agora que você já sabe mais sobre as assistências do seguro desse dispositivo eletrônico tão importante no dia a dia, se você gostou do conteúdo de hoje, dê uma olhada no blog da Pier onde trazemos diversas dicas para aumentar a proteção no seu celular em todos os momentos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: