Blog da Pier » Quando não devo acionar o seguro auto?

Quando não devo acionar o seguro auto?

Muitas pessoas acreditam que, por ter um seguro auto ao lado, acionar em qualquer tipo de ocasião é o mais recomendado. Essa, no entanto, nem sempre é a melhor escolha, já que existem situações em que não compensa contatar a seguradora.

por Time Pier
Criado em

4 min de leitura

Proteção
5
(1)

Ter um bom seguro ao seu lado é algo ótimo, afinal, é a melhor forma de evitar muitas dores de cabeça que podem surgir no trânsito. Mas muitas pessoas acreditam que, já que a empresa está ao lado para ajudar em todos os momentos, isso é suficiente para sempre ser benéfico acionar o seguro, e infelizmente isso não é verdade!

Por isso, se você quer saber quando não vale a pena acionar o seguro a fim de não ser prejudicado de nenhuma forma ou até mesmo de não resolver o seu problema, nós vamos explicar tudo sobre o assunto!

 

Por que existem situações em que não compensa acionar o seguro?

É fato que existem diversos mitos a respeito do seguro de carro, e isso envolve os mais variados assuntos e temas nesse universo. Mas de forma simples e fácil de entender, quando falamos sobre existirem situações em que não compensa acionar a empresa, estamos falando sobre possibilidades de: gastar mais dinheiro do que o necessário, acabar perdendo tempo ou até mesmo não conseguir resolver o problema.

E isso acontece tanto em modalidades de seguro online como também no convencional, já que não se trata da forma de agir da empresa, e sim de ser uma situação que, de forma geral, não vale a pena mesmo.

 

Em quais ocasiões o cliente não deve contatar a empresa?

Após entender brevemente os motivos que fazem com que nem sempre seja interessante pedir auxílio no seu seguro auto, vamos entrar agora em cada uma das situações para que você tenha total conhecimento e certeza do que fazer. Veja conosco, então, quais são as 4 situações em que você não deve acionar o seu seguro para carro:

 

1. Quando ocorre um sinistro em que não há a cobertura

É fato que existem coberturas para os mais variados sinistros que podem acontecer no trânsito. Mas a partir do momento em que nem todas estão presentes nos contratos, é possível que você não tenha proteção contra algo em específico. 

Para ficar mais fácil, vamos a um exemplo: se no seu seguro de veículo você apenas possui proteção contra roubo e furto e sofreu uma colisão, não adianta acionar a empresa.

Isso acontece já que você não possui essa proteção no seu plano, ou seja, será apenas uma perda de tempo. Consequentemente, não vale a pena acionar a seguradora. O grande ponto, porém, é que dá para contornar essa situação sabendo exatamente tudo o que você possui proteção conferindo na sua apólice.

 

2. Pequenos danos

Um ponto fundamental de entender no seu contrato é se existe a questão da franquia de seguro, algo muito comum na maioria dos casos. Aqui, é estabelecido um montante para ocorrer uma divisão entre a seguradora e o segurado a fim de pagar o reparo do veículo, quando o dano é menor que 75% do valor do carro.

Sendo assim, vamos supor que a sua franquia é de R$1.000 e o orçamento da manutenção ficou em R$3.000. Nesse caso, você deve pagar os R$1.000 e os R$2.000 restantes ficam a cargo da seguradora.

Mas para os consertos abaixo do valor estabelecido, não vale a pena acionar a seguradora para não ter de pagar nada para a empresa. Ou seja, compensa mais levar o veículo para a oficina e pagar por conta própria em todas as situações em que a manutenção fica mais barata do que a franquia.

 

3. Em acidentes causados por terceiros

No trânsito, é comum sofrer e causar acidentes, e isso acontece pelos mais variados motivos. É importante lembrar que o responsável pela situação é quem tem a responsabilidade de pagar por todos os consertos e gastos.

Mas se você for a vítima, não é recomendado acionar a empresa, mesmo que o seu tipo de seguro para carros tenha proteção contra terceiros. Afinal, seja por meio da seguradora ou arcando com o prejuízo do próprio bolso, a responsabilidade de pagar pelo conserto do seu carro (bem como danos morais, estéticos e outros) é toda de quem causou a batida.

 

4. Caso você esteja acima da quilometragem coberta

Por mais que as coberturas sejam ótimas para te proteger, outra situação em que é perda de tempo tentar acionar a seguradora de veículos é quando você está fora da distância máxima coberta.

Vamos supor que você esteja na estrada e precise de um guincho devido a um ocorrido. Porém, o raio é de 50 km de distância (normalmente contado da sua residência), mas você está há mais de 150 km. Se isso acontecer, o serviço não será autorizado e você não terá uma solução para o seu problema, ou seja, será apenas uma perda de tempo. É exatamente por isso que também não compensa entrar em contato com a empresa se estiver fora da quilometragem coberta.

✨ Seguro Auto sem asterisco e letra miúda: para não ficar com dúvidas se você deve ou não acionar o seu seguro, busque por empresas transparentes quanto a coberturas e serviços disponíveis no plano.

A Pier oferece um seguro auto mensal e na medida do que você precisa. Um dos diferenciais desse formato é poder contratar ou editar seu plano de acordo com as necessidades do mês e a disponibilidade de uma solicitação de serviço todo mês. Saiba mais e faça sua cotação aqui!

E após saber todas as ocasiões em que você não deve acionar o seu seguro auto, que tal conferir mais sobre o universo de seguros para não cair em pegadinhas no contrato? Para isso, confira o Blog da Pier e entenda todos os pontos fundamentais para ter um bom seguro ao seu lado.

 

 

 

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

4 dicas para saber se uma promoção é de verdade Vale a pena ter celular reserva? 5 apps para deixar sua Casa Inteligente O que é Perda Total? Conheça o iPhone 14
%d blogueiros gostam disto: